chamada blog

Semana da Vida 2015

semana da vidaA vida é um DOM INALIENÁVEL, sempre! Em quaisquer de suas fases. Desde os primeiros segundos da fecundação no ventre da mulher. Ali já estão codificadas todas as informações que define quem e como será aquela nova vida: se homem ou mulher, cor da pele e dos olhos, e todas as demais características físicas que o novo SER terá.

Isso sem dizer, do ponto de vista da Fé Cristã, que a alma já se faz presente no momento da concepção. E, portanto, a alma daquela nova ‘pessoinha’ tem o direito de desenvolver-se naquele pequeno emaranhado de células embrionárias. Isso aconteceu com você. Isso aconteceu comigo. Isso acontece, sem exceção, com todo e qualquer ser humano, mesmo que agora, adulto - e ingrato - ele se oponha ao direito do NASCITURO.

A CODEVIDA (Comissão Arquidiocesana em Defesa da Vida), em sua parceria com o Projeto QUERO VIVER SIM (www.facebook.com/queroviversim), e o apoio e realização do Vicariato para a Vida e a Família, promove na Arquidiocese de Juiz de Fora a SEMANA DA VIDA 2015, com o propósito anual de enaltecer o maior tesouro de todo universo: a Vida Humana, sensível e inteligente!

Entre os dias 01 e 07 de outubro, todas as paróquias incluirão nas Missas as intenções pela VIDA e as orações próprias pela SEMANA DA VIDA 2015, conforme carta do Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, encaminhada ao clero arquidiocesano.

Dia 04, os defensores da vida e os movimentos e pastorais ligados ao Vicariato para a Vida e a Família juntar-se-ão à CAMINHADA PELA PAZ, convocada por Dom Gil. Afinal, a defesa da vida em todas as suas fases, também é um grito de Paz!

A SEMANA DA VIDA 2015 encerra no DIA MUNICIPAL do NASCITURO (dia 08), conforme Lei Municipal. Neste dia haverá uma Santa Missa na Catedral Metropolitana, às 19h, onde ocorrerá também uma Homenagem às Gestantes, que desde já estão convidadas em todo território da Arquidiocese para que compareçam, assim como as mães em geral e todo o povo de Deus.

 

Colaboração Pe. Frei Flávio Henrique, pmPN

 

A Palavra de Deus Revelada e Explicada

dom gilDurante todo o mês de setembro, os católicos reverenciam, estudam mais profundamente e desenvolvem várias atividades de valorização da Bíblia Sagrada. É o mês da Bíblia. Os círculos bíblicos em família, as reflexões e orações nas paróquias e comunidades, os cursos nos seminários, as semanas bíblico-catequéticas, os simpósios são alguns dos movimentos promovidos nesta ocasião.

A Palavra de Deus contida na Sagrada Escritura ocupa lugar central na vida dos que creem em Cristo, pois a Igreja crê e ensina que “ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo”, na expressão de São Jerônimo (340-420).

Porém a Igreja crê também na Sagrada Tradição e se serve do Magistério Eclesial para crer por inteiro, pois se tudo o que está na Bíblia é verdade, nem toda a verdade está explícita na Bíblia. A Bíblia, a Tradição e o Magistério são três instâncias fontes da fé que não andam separadas, mas intimamente unidas, podendo-se afirmar que uma não pode existir sem as outras.

Diz a Dei Verbum, um dos documentos do Concílio Vaticano II, que “A Sagrada Tradição e a Escritura estão, portanto, entre si estreitamente unidas e comunicantes. Pois promanam da mesma fonte divina, formam de certo modo um só todo e tendem para o mesmo fim. Com efeito, a Sagrada Escritura é a palavra de Deus enquanto redigida sob a moção do Espírito Santo; a Sagrada Tradição, por sua vez, transmite integralmente aos sucessores dos Apóstolos a palavra de Deus confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo aos Apóstolos...”.

Afirma ainda o mesmo Documento e também o Catecismo da Igreja Católica que “não é somente pela Sagrada Escritura que a Igreja deriva sua certeza a respeito de tudo o que foi revelado. Por isso ambas, Escritura e Tradição, devem ser aceitas e veneradas com igual sentimento de piedade e reverência” (DV 9), (CIC 82).

O Magistério é um serviço indispensável, uma vez que é legítima a pesquisa teológica, mas esta não pode ter, por si só, autoridade sobre a verdade, dependendo, portanto, da definição do Sucessor de Pedro ou dos Bispos em comunhão com ele. Sobre isto afirma a Dei Verbum: “Para que o Evangelho sempre se conservasse inalterado e vivo na Igreja, os Apóstolos deixaram como sucessores os Bispos, a eles transmitindo o seu próprio encargo de Magistério” (DV 7).

A Tradição antecede a própria Bíblia, tanto no Antigo Testamento, quanto no Novo, pois os textos sagrados somente foram redigidos depois de vivenciados pelas comunidades. No caso do Novo Testamento, os primeiros escritos somente apareceram cerca de 20 anos após a morte e ressurreição de Cristo, sendo, segundo as atuais pesquisas, a 1ª carta de Paulo aos Tessalonicenses o texto mais antigo, escrito não antes do ano 51. Os quatro evangelhos se formaram depois do ano 70, segundo a maioria dos exegetas. Até formar o corpus neotestamentário passaram-se anos, o que indica, com certeza, que as primeiras comunidades cristãs, até o fim do primeiro século, viveram da Tradição Apostólica. Assim, pode-se afirmar, sem receios, que a organização da Igreja fundada por Cristo, nasceu da Tradição e não das Escrituras neotestamentárias.

Não temos uma ‘religião do livro’, mas uma ‘religião da Palavra’, e a Palavra não é uma letra, é uma pessoa, Cristo, segundo afirma João: “A Palavra se fez carne e habitou entre nós” (Jo.1, 14).

As próprias Escrituras confirmam o valor da Tradição transmitida pelos Discípulos, antes mesmo que houvessem escritos, como por exemplo, o texto da 2ª carta a Timóteo: “Toma por modelo os ensinamentos salutares que recebeste de mim sobre a fé e amor a Jesus Cristo. Guarda o precioso depósito pela virtude do Espírito Santo que habita em nós” (2Tm 1,13-14).

Os Apóstolos transmitiram aquilo que eles receberam (cf. I Cor 11,23; 15,3), exortam os fiéis a manter as tradições que aprenderam seja oralmente, seja por carta (cf. II Tess. 2,15), e a combater pela fé uma vez transmitida aos santos (cf. Jd 3).


Dom Gil Antônio Moreira

Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

 

SETEMBRO: MÊS DA BÍBLIA

biblia blogIrmãos e irmãs, é com muita alegria que entregamos mais um número do nosso jornal. Estamos celebrando o mês da Bíblia, Palavra de Deus dirigida a todos nós. É preciso conhecer, acolher, praticar e anunciar esta Palavra, que é viva e eficaz.

As reflexões do mês da Bíblia nos convocam ao discipulado e à missionariedade, ou seja, ouvir Jesus e anunciar a sua Pessoa e sua Palavra no mundo de hoje, tão carente de vida plena, que só Ele pode nos dar.

Em setembro celebramos o mês da Bíblia, porque no dia trinta ocorre a memória de São Jerônimo, que dedicou a vida ao estudo e tradução da Sagrada Escritura.

Neste mês, nossas comunidades procuram aprofundar mais o conhecimento da Bíblia, o modo como Deus nos fala e perceber melhor o seu amor infinito pelo ser humano, criado à sua imagem e semelhança.

A Bíblia é o livro que venceu e vence os tempos sem envelhecer. Um livro que fala a todas as pessoas e a todas as situações. Milhões já beberam e continuam a beber dessa fonte inesgotável que comunica a verdade e a paz. 

No dia 1º de setembro, celebraremos pela primeira vez o Dia mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, a pedido do Papa Francisco.

A solenidade da Exaltação da Santa Cruz, celebrada dia 14, desperta em todos nós, cristãos, maior reconhecimento e mais intenso amor a Jesus Cristo que por nós deu a sua vida. “Deus amou tanto o mundo, que entregou seu único filho para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3,16). No dia seguinte, 15, a Igreja fixa seu olhar em Maria aos pés da cruz e a identifica como “Mãe Dolorosa”, a Mãe das Dores.

Lembramos também aqui a importância da Semana da Pátria, com nossas orações pelo nosso querido Brasil. O amor à Pátria é um valor presente na história das civilizações. O torrão natal não é apenas um espaço físico, mas, sobretudo, uma vida que se constrói na promoção das pessoas e dos grupos humanos. Rezemos pelo Brasil, pedindo ao Senhor Deus que possamos ter uma sociedade cada vez mais justa e solidária para que todos tenham vida.


Mons. Luiz Carlos de Paula
Pároco da Catedral

 

Arquivos

Tags

  1. Facebook
  2. Twitter
  3. Instagram
  4. Video