chamada blog

É Tempo de Missão

missoesCelebramos cada ano o mês das missões. É um tempo para rezar e refletir sobre a necessidade de que as boas notícias de Deus possam chegar a todos os recantos e a todas as pessoas. O mundo precisa ser evangelizado, precisa ouvir falar de Deus. A esse mundo tão marcado por notícias ruins, dilacerado por discórdias e maldades, precisamos lançar as s ementes do evangelho para que tenhamos frutos de amor, de justiça e de paz. 

O batismo de Jesus marca uma passagem da vida oculta em Nazaré para a sua atividade missionária. Nele, Jesus, conduzido pelo Espírito Santo, inicia a sua ação missionária. (Mt 3, 13-17) Depois, numa sinagoga em Nazaré, Ele apresenta o seu programa missionário, citando o profeta Isaías (Is 40) “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a liberdade aos cativos e aos cegos a recuperação da vista...” (Lc 4, 18-20) Na sua Missão, Jesus revela um Deus cheio de compaixão e misericórdia, que ama e cuida, cura, restabelece a vida com ternura. 

A maior notícia da história é esta: Deus se fez homem e veio habitar entre nós. Jesus, após a sua ressurreição, antes de voltar ao Pai, reuniu seus discípulos e deu-lhes as últimas orientações: “Portanto, vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo e ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias até o fim do mundo.” (Mt 28,19-20) Ser missionário não é privilégio, é um dever. Ser missionário não é atividade de alguns, é obrigação de todos os cristãos. A missão de evangelizar é própria de todas as pessoas batizadas, na riqueza da diversidade de carismas e ministérios, que o Espírito do Senhor Ressuscitado suscita no Povo de Deus.

“A Igreja peregrina é missionária por natureza, porque tem sua origem na missão do Filho e do Espírito Santo, segundo o desígnio do Pai, por isso, o impulso missionário é fruto necessário à vida que a Trindade comunica aos discípulos.” (DAp 347)

Nestes últimos anos, estamos redescobrindo a dimensão missionária da Igreja, que vem desde a fundação das primeiras comunidades. Além dos padres e freiras, também os leigos e leigas descobrem sua vocação missionária. Com alegria encontramos em tantos lugares e também aqui em nossa Arquidiocese, um grande empenho em viver a dimensão missionária, ou seja, colocar ardor missionário em toda ação pastoral.

É impressionante a vida nova, cheia de luta, de esperança, de comunhão, que os discípulos missionários estão injetando nas paróquias e na sociedade. A ação missionária tem criado uma maior consciência da pertença à Igreja entre os agentes de pastoral, os que assiduamente frequentam nossas celebrações, chegando também àqueles que se encontravam afastados do convívio eclesial.

Evangelizar é comunicar com palavras e, principalmente, com o testemunho de vida que vale a pena seguir Jesus Cristo, porque só Ele é o caminho, a verdade e a vida e só Ele é capaz de nos dar a verdadeira felicidade.

Que Deus nos abençoe e nos faça verdadeiros discípulos missionários a serviço do Reino, anunciado por Jesus Cristo, que veio para que todos tenham vida e “para que a tenham em plenitude” (Jo 10,10).

                                                         Mons. Luiz Carlos de Paula
                                                     Pároco da Catedral Metropolitana 


Bíblia, Livro Santo

10361494 638752659575974 649471704522739323 nEm setembro celebramos o mês da Bíblia, porque no dia trinta ocorre a memória de São Jerônimo que dedicou a vida ao estudo e tradução da Sagrada Escritura.

Neste mês, nossas comunidades procuram aprofundar mais o conhecimento da Bíblia, o modo como Deus nos fala e perceber melhor o seu amor infinito pelo ser humano, criado à sua imagem e semelhança.

A Bíblia é o livro que venceu e vence os tempos sem envelhecer. Um livro que fala a todas as pessoas e a todas as situações. Milhões já beberam e continuam a beber dessa fonte inesgotável que comunica a verdade e a paz.

A revelação divina é destinada a todos os homens e mulheres, porque Deus quer que todos cheguem ao conhecimento da verdade, “a Palavra de Deus é a verdade, sua lei, liberdade”, por isso, é necessário que a Igreja a anuncie a todos, segundo o mandamento de Jesus: “Ide, pois, e fazei discípulos” (Mt 28,19).

O Concílio Vaticano II, no seu documento Dei Verbum, “Palavra de Deus”, nº 11, diz que: “na redação dos livros sagrados, Deus escolheu homens dos quais se serviu, fazendo-os usar suas próprias faculdades e capacidades, a fim de que, agindo Ele próprio neles e por eles, escrevessem, como verdadeiros autores, tudo e só aquilo que Ele próprio quisesse.” A segunda carta a Timóteo afirma: “Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, refutar, corrigir, educar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito, preparado para toda boa obra” (2Tm 3,16.17).

O Espírito Santo nos inspira quando lemos a Bíblia. Ele nos ajuda a acolher e a praticar a Palavra de Deus. Sem Ele não é possível descobrir o sentido que Ela tem para nós. É necessário sabedoria e discernimento para que a Palavra possa produzir frutos em nossa vida.

A Bíblia é luz para o nosso caminhar. A sua leitura quer nos ajudar em nossos dias a perceber a presença viva de Deus, do seu sonho de vida e esperança, de paz e solidariedade para o mundo, portanto, a Palavra de Deus é como um farol que indica o caminho por onde andar, mas não só ilumina como também aquece nossa esperança e nosso amor para que possamos nos converter a cada dia.

O profeta Isaías resume perfeitamente o poder da Palavra divina: “Como a chuva e a neve descem do céu e para lá não voltam, sem terem regado a terra, tornando-a fecunda e fazendo-a germinar, dando semente ao semeador e pão ao que come, tal ocorre com a palavra que sai da minha boca: ela não torna a mim sem fruto; antes, ela cumpre a minha vontade e assegura o êxito da missão para a qual a enviei.” (Is 55,10.11)

Celebrando o mês da Bíblia, peçamos a Deus que nos abençoe e ilumine para que, acolhendo, praticando e comunicando a Palavra que é viva e eficaz, caminhemos sempre na estrada de Jesus, caminho, verdade e vida.

                                                                 Mons. Luiz Carlos de Paula
                                                                       Pároco da Catedral

Agosto: mês das vocações

agosto

O mês vocacional, em seus domingos, nos coloca diante de quadros bem concretos:
No primeiro domingo celebramos a vocação aos ministérios ordenados. Na Igreja, desde dos seus primórdios, temos os três ministérios: o bispo, o presbítero e o diácono. Celebrar este dia é viver o jeito de Jesus, que convoca os apóstolos e depois os discípulos para viverem com ele e assumirem a tarefa de evangelizar e de construir comunidades através dos três serviços: o anúncio da Palavra, a celebração litúrgica e a caridade.

A vocação matrimonial é celebrada no segundo domingo. Destacar o dia dos pais é enfocar a vocação e a missão matrimonial e familiar. A paternidade é o jeito de constituir a base da família, como experiência de vida e de fé. Os pais devem ser os primeiros educadores e principais catequistas, que lançam os valores da vida e do Evangelho no coração dos filhos e, consequentemente, no coração da sociedade e do mundo.

O terceiro domingo é dedicado à vida consagrada. É a vocação dos religiosos e religiosas, aqueles que aceitam o desafio de viver os valores radicais do Evangelho, dentro do carisma que o Fundador ou Fundadora descobriu, como modo de transformação espiritual do mundo. A vida religiosa faz parte integrante da santidade da Igreja. Basta pensar no grande número de fundadores e fundadoras que souberam dar respostas concretas e exigentes às necessidades do seu tempo e que, hoje, com a permanente atualização, seus seguidores aceitam o desafio de viver o mesmo espírito nas condições diferentes da época atual.

No quarto domingo, celebramos a vocação dos leigos e leigas e, por extensão, o dia do catequista. A Igreja insiste hoje no protagonismo dos leigos, seja nos âmbitos da fé e da comunidade eclesial, mas preferencialmente na esfera do mundo. O leigo cristão tem a missão de ser o fermento de transformação profunda das realidades temporais, vivendo na comunhão da Igreja.

É importante que neste mês, de modo especial, possamos nos comprometer com a vivência da nossa vocação e rezarmos intensamente pelas vocações seguindo o pedido de Jesus: Enviai, Senhor, operários para a messe, pois a messe é grande e os operários são poucos!

                                                           Monsenhor Luiz Carlos de Paula
                                                                   Pároco da Catedral

 

Arquivos

Tags

  1. Facebook
  2. Twitter
  3. Instagram
  4. Video