chamada blog

Manifesto do Fórum das Pastorais Sociais do Regional Leste II

“A terra é dom do Criador” (Dt 8,7)

As Pastorais Sociais do Regional Leste II da CNBB*, compreendendo os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, reunidasnos dias 6 a 8 de novembro, na casa de retiros Nossa Senhora da Alegria, no centro do complexo de barragens das mineradoras, dos municípios de Ouro Preto e Mariana, diante da catástrofe causada pelo rompimento das barragens Santarém e Fundão no dia 5 de novembro, denunciam o crime contra a vida, o meio ambiente e a biodiversidade provocado pela companhia Vale e BhpBilliton (Samarco).

A exploração mineral no Brasil vem crescendo de forma desordenada e irresponsável, como resultado de uma política de apropriação extensa de territórios, de bens naturais, culturais e recursos hídricos por grandes grupos econômicos, provocando impactos violentos aos povos, comunidades e territórios, gerando conflitos em toda sua cadeia: remoções forçadas de famílias e comunidades, poluição das nascentes, dos rios, do ar, poluição sonora, desmatamento, acidentes de trabalho, de trânsito, falsas promessas de prosperidade, concentração privada da riqueza e distribuição pública dos impactos, criminalização dos movimentos sociais, descaracterização e desagregação sociocultural.

Esta política excludente foi denunciada pelo Fórum Social da Arquidiocese de Mariana em 2012, em sintonia com o testemunho de Dom Luciano Mendes de Almeida: “Toda atividade mineradora e industrial deve ter como parâmetro o bem estar da pessoa humana, buscando a superação dos impactos negativos sobre a vida em todas as suas formas e a preservação do planeta, com respeito ao meio ambiente, à biodiversidade e ao uso responsável das riquezas naturais”*.

Este desastre criminoso acontece dentro de uma sequencia de outras tragédias ocorridas em várias regiões do país, das quais destacamos os ocorridos em Minas Gerais: Miraí, Muriaé, Espera Feliz, Nova Lima/Macacos e Itabirito, ficando impunes as empresas mineradoras que os provocaram.

No entanto esse modelo depredatório e desumano parece não ter fim. Segundo os dados do DNPM* existem mais de 700 barragens de rejeito em Minas Gerais, dentre as quais, 43 em alto risco de rompimento, algumas com potencial maior do que as de Santarém e Fundão, o que causou danos humanos e ambientais irreversíveis, contaminando a água na bacia do Rio Doce, agravando ainda mais a crise hídrica na região, prejudicando a vida de milhões de pessoas. A Vale matou o Rio Doce.

Como cristãos representantes das Pastorais Sociais, em sintonia com os apelos do papa Francisco na encíclica Laudato Sí, somos corresponsáveis pelo cuidado com a Casa Comum, exigimos que o Estado garanta o cumprimento de direitos das populações atingidas e afetadas, proteja o meio ambiente e puna com rigor os culpados.

Em comunhão com Arcebispo de Mariana Dom Geraldo Lyrio Rocha, fazemos nossa suas palavras: “A tristeza é grande, a dor é profunda, os prejuízos são enormes, a desolação não tem tamanho... Entre os escombros brotam sinais de vida e ressurreição. Deus está presente. O Ressuscitado comunica vida onde está a morte. O Espírito Santo acende a chama da esperança no meio dos gemidos de desespero.”


Distrito de Antônio Pereira/Ouro Preto – MG, 7 de novembro de 2015

 

*Conferência Nacional dos Bispos do Brasil
*Declaração da Arquidiocese de Mariana diante dos impactos da atividade mineradora e industrial - Congonhas, 14 de setembro de 2012.
*Departamento Nacional de Produção Mineral

 

Novembro, mês dedicado ao Dízimo

dizimo novembroIrmãos e irmãs, a Igreja celebra, no início deste mês, a festa de Todos os Santos e Santas. Com essa solenidade, presta sua homenagem a tantos homens e mulheres que, com amor, caminharam na estrada de Jesus.

Hoje também, muitas pessoas se tornam santas sem que o mundo perceba. Na festa de Todos os Santos, a Igreja não pretende lembrar somente os Santos conhecidos e oficialmente canonizados, mas também todos aqueles que estão no céu, todos aqueles cuja santidade só Deus conhece. A porta da santidade está aberta para todos os que acolhem a Palavra de Deus e a põem em prática. Lembremos que a vocação à santidade é para todos: “sede santos como o Pai do céu é santo”.

Outra celebração forte, que toca o coração de todos, é o Dia de Finados. Com saudade e muita fé na ressurreição dos mortos, rezamos pelos nossos entes queridos e amigos já falecidos, não deixando desfazer o elo que um dia nos uniu e nos une, na certeza de que nos reencontraremos na Casa do Pai.

O mês de novembro é também o tempo forte de conscientização sobre o Dízimo, nosso compromisso mensal com a manutenção das obras de evangelização e de conservação do patrimônio da nossa igreja. O lema do mês do Dízimo deste ano é “Deus mesmo multiplicará nossas sementes” (2 Cor 9,10).

Na Solenidade de Cristo Rei do Universo, encerraremos o Ano litúrgico e com o Primeiro Domingo do Advento iniciaremos um novo Ano da nossa Igreja.

Caminhemos sempre na certeza de que o Senhor está no meio de nós, nos animando para que possamos passar pelo mundo fazendo o bem para que possamos chegar à Pátria definitiva.

                                              Mons. Luiz Carlos de Paula
                                                   Pároco da Catedral

Mês Missionário

missoes2Celebramos cada ano o mês das missões. É um tempo para rezar e refletir sobre a necessidade de que as boas notícias de Deus possam chegar a todos os recantos e a todas as pessoas. O mundo precisa ser evangelizado, precisa ouvir falar de Deus. A esse mundo tão marcado por notícias ruins, dilacerado por discórdias e maldades, precisamos lançar as sementes do evangelho para que tenhamos frutos de amor, de justiça e de paz.

O batismo de Jesus marca uma passagem da vida oculta em Nazaré para a sua atividade missionária. Nele, Jesus, conduzido pelo Espírito Santo, inicia a sua ação missionária. (Mt 3, 13-17) Depois, numa sinagoga em Nazaré, Ele apresenta o seu programa missionário, citando o profeta Isaías (Is 40) “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a liberdade aos cativos e aos cegos a recuperação da vista...” (Lc 4, 18-20) Na sua Missão, Jesus revela um Deus cheio de compaixão e misericórdia, que ama e cuida, cura, restabelece a vida com ternura.

A maior notícia da história é esta: Deus se fez homem e veio habitar entre nós para nos salvar e conduzir à vida em abundância. Jesus, após a sua ressurreição, antes de voltar ao Pai, reuniu seus discípulos e deu-lhes as últimas orientações: “Portanto, vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos”. (Mt 28,19) Ser missionário não é privilégio, é um dever. Ser missionário não é atividade de alguns, é obrigação de todos os cristãos. A missão de evangelizar é própria de todas as pessoas batizadas, na riqueza da diversidade de carismas e ministérios, que o Espírito do Senhor Ressuscitado suscita no Povo de Deus.

Evangelizar é comunicar com palavras e, principalmente, com o testemunho de vida que vale a pena seguir Jesus Cristo, porque só Ele é o caminho, a verdade e a vida e só Ele é capaz de nos dar a verdadeira felicidade.

A Igreja precisa de “evangelizadores com espírito, quer dizer evangelizadores que se abrem sem medo à ação do Espírito Santo. Em Pentecostes, o Espírito Santo faz os Apóstolos saírem de si mesmos e transforma-os em anunciadores das maravilhas de Deus, que cada um começa a entender na própria língua. Além disso, o Espírito Santo infunde a força para anunciar a novidade do Evangelho com ousadia, em voz alta e em todo o tempo e lugar, mesmo contra a corrente. Invoquemo-Lo hoje, bem apoiados na oração, sem a qual toda a ação corre o risco de ficar vã, e o anúncio, no fim de contas, carece de alma. Jesus quer evangelizadores que anunciem a Boa Nova, não só com palavras mas sobretudo com uma vida transfigurada pela presença de Deus”(EG 259).

Que Deus nos abençoe e nos faça verdadeiros discípulos missionários a serviço do Reino, anunciado por Jesus Cristo, que veio para que todos tenham vida e “para que a tenham em plenitude” (Jo 10,10).

                                                   Mons. Luiz Carlos de Paula
                                                     Pároco da Catedral

Arquivos

Tags

  1. Facebook
  2. Twitter
  3. Instagram
  4. Video