Fiéis celebram festa de Corpus Christi nesta quinta-feira (16)

corpuschristi siteokMissas e procissão vão marcar o feriado de Corpus Christi na Catedral Metropolitana. Nesta quinta-feira, 16 de junho, a igreja terá missas às 07h, 08h30 e 10h.

O destaque da programação será à tarde, com uma celebração que reunirá todas as paróquias da Forania Santo Antônio na praça da Igreja Bom Pastor. A Santa Missa, marcada para as 16h, será presidida pelo arcebispo metropolitano, dom Gil Antônio Moreira. Logo após, haverá procissão luminosa em direção à Catedral, onde haverá a bênção do Santíssimo Sacramento.


O que os católicos celebram no dia de Corpus Christi?

Corpus Christi significa "Corpo de Deus", "Corpo de Cristo". A festividade é a comemoração solene da instituição do Santíssimo Sacramento. Propriamente, é a quinta-feira da Semana Santa o dia da instituição da Eucaristia, mas a celebração da paixão e morte de Cristo, na sexta-feira santa, não permite expansões de alegria. A Festa de Corpus Christi, então, é celebrada na quinta-feira, após a Festa da Santíssima Trindade.

Origem da Festa de Corpus Christi

A celebração teve origem em 1243, em Liège, na Bélgica, no século XIII, quando a freira Juliana de Cornion teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque.

Em 1264, o papa Urbano IV estendeu a festa para toda a Igreja, pedindo a São Tomás de Aquino que preparasse as leituras e textos litúrgicos que, até hoje, são usados durante a celebração. A procissão com a hóstia consagrada, conduzida em um ostensório, é datada de 1274. Foi na época barroca, contudo, que ela se tornou um grande cortejo de ação de graças.

No Brasil

No país, a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais.

A celebração de Corpus Christi consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento, esse povo foi alimentado com maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Durante a missa, o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração.

Festa do Padroeiro da Arquidiocese é marcada pela alegria e participação de milhares de devotos

DSCN8848Após dois anos, na última segunda-feira, 13 de junho, a Arquidiocese de Juiz de Fora pode celebrar a grande festa de seu padroeiro, Santo Antônio. Mesmo com algumas precauções, milhares de pessoas puderam festejar o santo doutor do evangelho, que é protetor a cidade de Juiz de Fora, da Catedral Metropolitana, do Seminário Arquidiocesano, de outras seis paróquias e uma quase-paróquia de nossa Igreja Particular.

Neste ano a benção para a cidade sede da Arquidiocese, seguiu o modelo criado durante a pandemia, um cortejo com a imagem do santo português tomou conta da principal avenida da cidade, porém desta vez convidando todos para rezarem e acompanharem em carreata. O carro-andor saiu do Seminário Arquidiocesano em direção à Catedral, levando também o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, que trazia consigo a relíquia de Santo Antônio.

Durante o percurso, uma pequena carreata seguiu cortejo, buzinando e acenando. Dentre aqueles que estiveram manifestando sua fé, encontramos o Tarcísio José e sua filha, Vivian Oliveira. “Foi uma emoção porque, depois de tanto tempo de pandemia, longe das pessoas dos outros fieis, agradecer a Santo Antônio por tantas bênçãos. E percorrer a avenida buzinando, acenando para as pessoas na janela, toda aquela fé, é muito emocionante. Fica marcado! Ano que vem nós estamos aqui”, contou Vivian.

Na chegada à Catedral, algumas pessoas aguardavam do lado de fora e centenas dentro da igreja para celebrar a Missa Festiva, que foi presida por Dom Gil e concelebrada por diversos padres da forania Santo Antônio.

A igreja esteve lotada como há muito não se via, e se manteve assim ao longo das oito missas do dia. Para Tarcísio, que também participou da Santa Missa das 16h, foi uma grande alegria vivenciar esses momentos. “Achei que não ia dar para e vir por conta de um trabalho, mas Deus abençoou tanto que eu terminei era duas horas da tarde. Uma excelente tarde! Santo Antônio vai me proteger o resto do ano. Sou muito devoto de São José, mas sei que Santo Antônio não vai deixar de me amparar. Tô muito feliz mesmo!”, disse ele, ao final não contendo as lágrimas.

DSCN9113Na ocasião, o Pastor Arquidiocesano falou sobre a grande felicidade de comemorar esta festa, que tem muita relevância, inclusive histórica. “Que alegria quando chega o dia de nosso padroeiro! Ele é o padroeiro da cidade a mais de 300 anos, desde o primeiro núcleo de habitantes dessa cidade até agora. [Santo Antônio] Sempre amado e venerado por todos os habitantes dessa cidade”, declarou ele.

Além disso, Dom Gil destacou a satisfação em realizar as festividades, manifestações públicas de fé, como a Feira de Santo Antônio (ocorrida no Seminário Arquidiocesano) e festa social da Catedral. “Tudo isso é motivo de satisfação, de alegria. Sobretudo, depois de dois anos quase parados, tivemos oportunidade de celebrar com mais liberdade, embora com certos cuidados ainda, e o povo veio, participou intensamente”, concluiu ele.

Ao final da celebração diversos agradecimentos foram feitos e todos foram convidados para prestigiar as barraquinhas, no salão paroquial. “Neste dia queremos agradecer a Deus por esse momento que estamos vivendo. Só temos que agradecer, louvar a Deus e pedir que a gente possa aprender com Santo Antônio a sermos apaixonado pelo evangelho, pela justiça do reino, pelos pobres, também pela bondade. Santo Antônio eram um homem bom e nos ensina a viver a bondade de Deus. Que a gente possa aprender com ele a sermos apóstolos do bem, da verdade, da justiça e do amor”, disse Padre José de Anchieta Moura Lima, Administrador Paroquial.

É possível conferir mais fotos em nosso Facebook.

Aniversário de Dedicação da Catedral e 13º da Trezena de Santo Antônio são celebrados no Domingo da Santíssima Trindade

solenidade-santissima-trindadeO último domingo, dia 12, Solenidade da Santíssima Trindade, também foi marcado pela celebração do 34º Aniversário de Dedicação* da Catedral e o 13º da Trezena de Santo Antônio. O arcebispo de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira presidiu a missa das 10h, na Catedral, que foi concelebrada pelo nosso administrador paroquial, padre José de Anchieta, e teve a participação do diácono permanente, Antonio Valentino, e do Coral Benedictus.

Dom Gil falou sobre a exultação em celebrar tantos eventos importantes para a nossa igreja particular, além da Solenidade vivida pela Igreja do mundo todo. “Nosso coração se empolga pela celebração do padroeiro de nossa cidade, do nosso Seminário, da Paróquia da Catedral, de toda a Arquidiocese. Também outra alegria do dia de hoje é a celebração da Dedicação da Catedral, que foi abençoada há mais de 150 anos como matriz ainda e foi sagrada, dedicada por Dom Juvenal Roriz há 34 anos, então é dia de celebração desse evento litúrgico”.

O arcebispo finalizou pedindo a intercessão do nosso padroeiro por todos, principalmente falando sobre o tema do último dia da trezena que foi a Caridade. “Que Santo Antônio abençoe a você e dê todas as condições de praticar a caridade, que possamos viver segundo a Palavra e praticar o amor, sobretudo aos pobres”, completou.

O nosso administrador paroquial, padre José de Anchieta Moura Lima agradeceu a participação dos fiéis nestas celebrações e durante toda a trezena. “Queremos agradecer a presença de tantas pessoas que vieram aqui na Catedral hoje, encerrando a trezena dedicada a Santo Antônio. A pedido de Dom Gil esse ano fizemos trezena e não novena, foram 13 dias celebrando e comemorando nosso padroeiro, rezando pelas necessidades da nossa paróquia e da Arquidiocese. E essa participação foi muito bonita, onde também pudemos transmitir pelas nossas mídias sociais a trezena durante todos esses dias”.

Padre Anchieta também rendeu graças por esse momento importante. “Só temos que louvar a Deus por essa trezena, que no último dia teve a presença de Dom Gil aqui também celebrando os 34 anos da Dedicação da nossa Catedral. Queremos pedir que Santo Antônio continue intercedendo a Deus por cada um de nós, para que possamos ser bons missionários, bons educadores e fazer com que a nossa comunicação, [assim] como ele foi grande comunicador, passando e evangelizando toda a Itália, possa nos ensinar também a sermos proclamadores do Evangelho pelas ruas e sobre os telhados”, destacou.

33* Dedicação

No interior da igreja, próximo à entrada principal, encontramos uma placa com registro da cerimônia, que foi realizada em 12 de junho 1988. Além da placa, existem quatro cruzes em mármores: duas na porta de entrada, e duas próximas ao altar que simbolizam esta dedicação do templo. Cada cruz representa um dos evangelistas e possui uma vela na sua parte superior.

Esta cerimônia significa que a igreja é dedicada a Deus, e no caso da Catedral Metropolitana de Juiz de Fora, em honra a Santo Antônio, e seu uso é exclusivo ao culto divino.

Leia mais

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades da Catedral.
  1. Facebook
  2. Twitter
  3. Instagram
  4. Video