Igreja celebra Oitava de Páscoa

OctavaPascua 170316Com a celebração da Ressurreição do Senhor, na Vigília do Sábado Santo, começa o Tempo Pascal, formado por sete semanas até a Solenidade de Pentecostes. Durante este período, em todas as celebrações litúrgicas, o Círio Pascal permanece aceso, pois representa o Cristo Ressuscitado que dissipa as trevas da morte e faz resplandecer a luz de Deus.

A Oitava de Páscoa é a primeira semana destes cinquenta dias; é considerada como se fosse um só dia, ou seja, o prolongamento do júbilo do Domingo de Páscoa. As leituras evangélicas estão centralizadas nos relatos das aparições de Cristo Ressuscitado e nas experiências que os apóstolos tiveram com Ele. Neste tempo litúrgico, a primeira leitura, normalmente tirada do Antigo Testamento, é trocada por uma leitura dos Atos dos Apóstolos.

Ao final da Oitava Pascal, no segundo Domingo de Páscoa, é celebrada a Festa da Divina Misericórdia, instituída no calendário litúrgico da Igreja pelo Papa João Paulo II, em 30 de abril de 2000, na Missa de canonização de Santa Faustina Kowalska, apóstola da Divina Misericórdia.

Fonte: site da Arquidiocese de Juiz de Fora, com informações de ACI Digital e A12.com

Nota de falecimento: Luiz Carlos Lawall

nota falecimentoCom pesar, comunicamos o falecimento de Luiz Carlos Lawall, que estava internado desde o dia 14 de março para tratamento da Covid-19 e não resistiu após diversas complicações geradas pela doença, veio a óbito nesta segunda-feira (5). Natural de Juiz de Fora, trabalhou por mais de 20 anos na Catedral.

Lawall, como era conhecido entre os funcionários da Catedral, também atuou em diversas pastorais e movimentos, foi da Pastoral do Dízimo, Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística entre outras atividades que dedicou a vida no serviço da construção do Reino.

A Catedral presta condolências aos familiares e amigos na certeza da Ressurreição.

Em nota, o Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, enviou uma mensagem solidária à família. “Terminou sua caminhada de sofrimentos que viveu intensamente nesta Quaresma. Hoje, na luz da ressurreição, o Senhor o levou para celebrar a oitava da Páscoa no banquete eucarístico do céu”. Ele ainda enviou aos padres o pedido do filho de Lawall: cada padre, se possível, coloque essa alma em intenção nas missas que celebrar.

Na certeza da Ressurreição, a Missa desta quarta-feira, na Catedral, foi celebrada por sua alma. A missa de 7º dia será às 10h neste Domingo da Misericórdia, dia 11.

Ressureição de Cristo é celebrada por Dom Gil em Missa na Catedral

pascoaNa manhã do dia mais importante do ano para os cristãos, dia 04 de abril, o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, presidiu a Missa Solene da Ressureição do Senhor na Catedral de Juiz de Fora. O momento pode ser acompanhado por centenas de fiéis através dos meios de comunicação da Arquidiocese e alguns presencialmente, respeitando o limite de ocupação do templo, de acordo com o determinado pelas autoridades.

A Missa foi concelebrado pelo Vigário Geral da Arquidiocese, Monsenhor Luiz Carlos de Paula, pelo administrador paroquiall da Catedral, Padre Anchieta de Moura Lima, e contou com a participação dos Diáconos Waldeci Rodrigues e Antônio Valentino da Silva Neto. Também o Coral Benedictus esteve presente.

Antes do início da Celebração Eucarística, Dom Gil foi recebido na porta da igreja pelo Padre Anchieta, acompanhado pelo Crucifixo. Em seguida, eles fizeram a chamada Entrada Pontifical, na qual o Arcebispo aspergiu água benta nos fiéis presentes.

Desde o início da Missa, o Arcebispo acolheu a todos com grande alegria e convidou-os a celebrarem com gratidão a vitória de Cristo sobre a morte, a Ressurreição do Senhor, que também é a nossa. Na celebração ele recordou que Cristo é vitorioso em todas as circunstâncias, assim não será diferente neste tempo de pandemia.

Na homilia, Dom Gil destacou a importância da fé e da luta contra o pecado. Explicando a escuridão da madrugada, descrita do evangelho, prenuncia a chegada da luz. “Quando os três, Maria Madalena, Pedro e João, constatam a ressurreição, tudo se torna claro. O pecado nos deixa na escuridão, quando a pessoa comete um pecado, de fato, ela se sente sem condições de olhar para a luz, mas quando ela recebe o perdão, a luz lhe volta ao coração”.

Dom Gil afirmou que a festa da Páscoa é, por assim dizer, o nascimento da Igreja. A partir da fé nessa ressurreição é possível receber o batismo. “Meus irmãos, para nós, a ressurreição já começou desde o dia que nós fomos batizados. Se por acaso caímos, quando vamos ao confessionário celebrar o sacramento da penitencia ou fazemos uma contrição perfeita é ressurreição. Quando o pecador se levanta do confessionário é como Cristo que se levanta do túmulo para a vida.”

Em entrevista, o pastor enviou uma mensagem de esperança a todos. “Hoje é dia de grande alegria para todos cristãos. Cristo não permaneceu na morte, mas ressuscitou. Nesse tempo de pandemia a ressureição tem um grande significado para nós. Vivemos a escuridão da pandemia, sem saber o que vai acontecer no dia de amanhã, mas uma certeza nós temos: assim como Jesus venceu a morte, ele também vai vencer essa situação. Nós seremos vitoriosos. Essa é a nossa alegria, nossa satisfação de celebrar a Páscoa com essa confiança com essa certeza. Feliz páscoa! ”

Ao final da celebração, além de estimar uma Feliz Páscoa para todas as pessoas presentes e seus familiares, Dom Gil fez um breve comentário a respeito da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que liberou toda e qualquer cerimônia religiosa com a presença dos fiéis. Ele expressou sua satisfação com a notícia, e disse que, por hora, a arquidiocese continuará da mesma forma, sempre com todos os cuidados necessários.

Fonte: site da Arquidiocese de Juiz de Fora

Leia mais

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades da Catedral.
  1. Facebook
  2. Twitter
  3. Instagram
  4. Video